Perfect working space…

Perfect working space…

(via beautiful-soup)

From China with Surprise!

I love traveling but in the way that my lovely time is not affected, but here I am, after 21 hours in the air (with a short break) I have landed to the land of unknown, lost in translation and on time I needed two days to recover from “jet leg”… not sure what about the time, I though its was the day before the next day, I was anxious to see the morning light, the people in the street, the mega skyscrapers and the food (for sure).

I have heard that they are to many, but surprisingly still see a lot of space empty, even large gardens and parks, clean and all in order, this is refreshing… but the surprise comes and go… here is another one and the most frustrated one:

Well! I was just trying to get online and report all the moves and share with all the good, the bad and the crazy… I just can do it from here, I am not going political right now but not allowed to log in on Twitter and Facebook and I do not need to get VPN at this time (next time I’ll be ready)… enjoy the post as this blog is the only way to share something with all right now… From China with surprise!

(By J)

Elinga teatro: o ultimo sobrevivente

(posted by PN)

Bem vindos….

O blog ‘Oculto’ está finalmente ‘live’ e vocês, estão todos convidados a contribuir com ideias, textos, desenhos, links, videos, trabalhos, etc. é so acessar a secção ‘Como Publicar’ para mandar material interessante.

Esperamos que este seje um espaço descontraido de discussão, troca e partilha de ideias, conceitos, trabalhos, o que quiserem…

A máxima é criar um cruzamento e reflexão entre a produção cultural local e do resto do mundo. Os primeiros posts reflectem os interesses diversos da equipa editorial, e esperemos que esta diversidade se torne ainda maior.

Happy Posting…

Oculto Editorial


(posted by PN)

Sora: Primeira Motorizada Completamente Electrica

 Superbike elétrica, com design de vanguarda, ecologica e super poderosa, com uma performance de sonhos, esta Superbike vem equipada com CVT elétrico
motocicleta,
assento moto elétrico, touch screen integrado e muito maisé a primeira moto no mundo sem chave.

A equipa puxou os limites do design de vanguarda para criar esta moto, pensando no problema ecologico que se vive actualmente, esta moto respeita o meio ambiente, sem nunca comprometer a sua velocidade, estilo ou o poder. Porque é elétrica? o Sora é silenciosa, limpa e eficiente. Pode ser carregada e / ou ultra-carregada em casa, também pode ser carregado em estação de bastecimento com dois níveis, para um desempenho longo e não requer quase nenhuma manutenção. Esta Surperbike e ideial para cidades cosmopolitanas.

(by J)

(Source: litogreenmotion.com)

I love my hair!

Black beauty for black women is existential in their hair. Black women all over the world see their hair is their prime jewel, their crown, and one does not have to be an expert social scientist to realize the cultural, social and political significance that hair carries for them within their societies.

(Post by Luziela. Edited by OM Team)

I love my hair

This piece is to be taken as an opened window to how I understand Black female beauty. First let me just say: I love my hair!

Black hair is a statement!

While to some black hairstyles are exotic, to others they might be threatening because they display a black esthetic that is linked to an authentic and an imaginary radical blackness.

In recent years, hair has been a central theme of the work of psychoanalysts, sociologists, and anthropologists.

What is noteworthy in psychoanalysis is that it is argued by some that hair generates private symbolism that originate within the unconscious, but these symbols may or may not come to the surface to develop public significance.

Psychoanalyst C.R. Hallpike also argues that hair represents social control; he gives as an example the fact that soldiers and prisoners are required to wear short hair while on the other hand long-haired hippies and women exist on the fringes of this apparent structure of social control structure (1972).

Hair also carries sociological significance, in a sense that it is an easily controlled variable that can denote status, set fashion, or serve as a badge (Cooper, 1971: pp. 7), and when paired with skin color, hair is one of the most important physical attributes for racial classification. From the moment that people of different races came into contact, Black hair has symbolized, and continues to reflect, struggles.

Consequently, the socio-political implications for hair implied that from an assimilationist standpoint, hair and the relationship to appropriate grooming practices are viewed as a positive factor among people of African decent, but nationalists view any hairstyling choice that alters black hair as signifying self-hatred. Historically the proliferation of racist ideologies through colonialism and slavery operated to justify theories of racial hierarchies that led people of African descent to believe that they were without intelligence, culture and beauty.

Sociologist Ingrid Banks goes a step further by suggesting that the intersection of reflections about race and gender created cultural and political constructions of beauty which have led women of African descent all over the world to alter their original appearances in order to meet the expectations of mainstream notions of beauty.  

Hair is a racial signifier!


Hair styling practices intersect esthetics, societal norms, internalized notions of superiority and inferiority, history, adornment, politics, race and racism.

Black hair is an art!

In reality, the varieties of hair styling practices (whether women wear their hair natural, permed, braided, colored, short, long…) are cultural artifacts and adornment rituals, rather than expressions of self-hatred (Mercer, 1990).

According to anthropologist Jeanette Mageo “it seems more likely that public symbols acquire private significance for all of us simply because public social life affects us personally: what has personal significance is at least in part a product of how we are regarded and treated by others” (1994: pp. 21). In this perspective, Black women’s self-hatred is due to the way that they are regarded and treated by others as a result of racism.

On the other hand, Willie Morrow (1973) argues that skin color (“race”) and “curly or kinky hair” (beauty) are so intertwined that it is hard to separate the two when examining the forces that shape black people’s self-esteem, and anthropologist P. Hershman reminds us that hair scholarship must take into consideration culturally specific realities (1974).

In fact, while curly and kinky hair was glorified in West African societies, it became a symbol of inferiority once enslaved Africans reached American shores. Therefore, it was on slave ships and white-owned plantations in America that curly and kinky hair became the badge of racial inferiority (Banks, 2000: pp. 8).  

The literature on “female Blackness” tends to be reductionist constructions of black identity and it is a horrible mistake to assume that black women’s consciousness is essentialist, or that all black women think alike.

Black hair is identity.

The reality is that Black women today represent a multiplicity of realities, and yet, nobody can deny that being a black woman has a political and social context, especially in societies that are racist and/or sexist… (to be Cont’d…)

(by Luziela. Edited by OM-Team)

 

(Source: daleciouscurls)

Cannes regressa mais glamoroso que nunca… 
O poster oficial da edição 2011 do Festival de Cannes foi revelado esta semana, mostra Faye Dunaway no auge da beleza e chama a atenção para um filme quase esquecido.
A fotografia a preto e branco, (diferente dos cartazes coloridos de edições passadas) foi tirada pelo fotógrafo e diretor de cinema Jerry Schatzberg em 1967, um pouco antes de Dunaway explodir para fama em Bonnie & Clyde. Na década de sessenta, o fotógrafo ficou conhecido pela serie de fotografias do cantor Bob Dylan, em especial a imagem icónica que ornamenta a capa do lendário disco Blonde on Blonde (1966).
A organização do festival descreve a imagem como um “modelo de graça e sofisticação intemporal, e que encarna um sonho de cinema que o Festival de Cannes deseja manter”. De facto, o poster ‘retro’ e quase minimalista (com apenas um delicado 64 a adornar as pernas, a cabeça e a mão direita de Dunaway) remete ao passado, convida-nos a revisitar o cinema dos Grandes Mestres que o festival ja premiou, e ressuscita uma das Divas da setima arte. Enquanto ‘poster’ cinematografico que claramente referencia o passado e o sonho cinematografico, esta imagem diz muito mais do que simplesmente anunciar os filmes em cartaz ou festival. 
O poster é tambem alusivo a um evento em particular na ediçã deste ano – a exibição da versão restaurada de “Puzzle of a Down fall Child” (1970), um filme raro que marca o inicio da carreira de director de Schatzberg, no qual Dunaway interpreta uma modelo reclusa à beira de um surto psicotico. Anos mais tarde, Schatzberg  dirigiu o brilhante “Scarecrow” laureado com da Palma de Ouro em Cannes, com Alcino e Gene Hackman nos papeis principais.
O poster foi desenhado pela agência francesa de design H5, que também é responsável por toda a imagem grafica do festival.
A versão restaurada de “Puzzle of a Downfall Child” estreia em Cannes na próxima semana. O festival decorre de 11 a 22 de Maio.
(source: www.festival-cannes.fr)
(posted by: Paula Nascimento)

Cannes regressa mais glamoroso que nunca…

O poster oficial da edição 2011 do Festival de Cannes foi revelado esta semana, mostra Faye Dunaway no auge da beleza e chama a atenção para um filme quase esquecido.

A fotografia a preto e branco, (diferente dos cartazes coloridos de edições passadas) foi tirada pelo fotógrafo e diretor de cinema Jerry Schatzberg em 1967, um pouco antes de Dunaway explodir para fama em Bonnie & Clyde. Na década de sessenta, o fotógrafo ficou conhecido pela serie de fotografias do cantor Bob Dylan, em especial a imagem icónica que ornamenta a capa do lendário disco Blonde on Blonde (1966).

A organização do festival descreve a imagem como um “modelo de graça e sofisticação intemporal, e que encarna um sonho de cinema que o Festival de Cannes deseja manter”. De facto, o poster ‘retro’ e quase minimalista (com apenas um delicado 64 a adornar as pernas, a cabeça e a mão direita de Dunaway) remete ao passado, convida-nos a revisitar o cinema dos Grandes Mestres que o festival ja premiou, e ressuscita uma das Divas da setima arte. Enquanto ‘poster’ cinematografico que claramente referencia o passado e o sonho cinematografico, esta imagem diz muito mais do que simplesmente anunciar os filmes em cartaz ou festival.

O poster é tambem alusivo a um evento em particular na ediçã deste ano – a exibição da versão restaurada de “Puzzle of a Down fall Child” (1970), um filme raro que marca o inicio da carreira de director de Schatzberg, no qual Dunaway interpreta uma modelo reclusa à beira de um surto psicotico. Anos mais tarde, Schatzberg  dirigiu o brilhante “Scarecrow” laureado com da Palma de Ouro em Cannes, com Alcino e Gene Hackman nos papeis principais.

O poster foi desenhado pela agência francesa de design H5, que também é responsável por toda a imagem grafica do festival.

A versão restaurada de “Puzzle of a Downfall Child” estreia em Cannes na próxima semana. O festival decorre de 11 a 22 de Maio.

(source: www.festival-cannes.fr)

(posted by: Paula Nascimento)

Tags: cinema design

vogue:

VIDEO: The 2011 Costume Institute Gala at The Metropolitan Museum of Art

Uma Gala com bastante glamour e vestidos super elegantes, mas uma vez foi homenageado o fashion designer “Alexander McQueen”, que do seu atelier tambem saiu o mais falado vestido de noiva do momento, criado pela actual responsavel pela “Casa McQueen” a designer Sarah Burton. (..J..)

WIM COWEL: Alfabeto Electrizante

Acima: Novo Alfabeto, de 1967, publicada na vigésima edição da série de Pieter Brattinga Kwadraadbladen (Quadrat impressões).

O designer de origem Holandesa, Wim Crouwel apresentou um novo alfabeto (Tipografia) experimental em 1967, o mesmo consistia na simplificação radical da forma da letra, com ideias pouco comuns sobre a sensibilidade do caso e da Ortografia. Esta proposta deveria ser vista apenas como um passo inicial para futuras pesquisas, tornadas necessárias pelo o acréscimo de material impresso. "Precisamos avançar para uma forma completamente diferente da letra", explicou Wim Crouwel. “A fonte que está a emergir será determinado pelo homem contemporâneo, que conhece o computador e também a sua convivência”.

Os rápidos avanços em processamento de dados que revolucionou o trabalho de escritório a partir da metade dos anos 1960 em diante - e, mais tarde invadiu a vida quotidiana, isto criou desafios especiais para os designers tipográficos. Com MEE e microcomputadores, surgiu a necessidade de fontes electrónicas, tanto para traduzir os dados em sinais eléctricos inteligíveis por máquinas, e para transmitir informações entre homens e máquinas através de painéis electrónicos.

 Apesar destas noções iniciais da estética da máquina”, a década de 1960 e 70, viu-se vários designers protestando contra a suposta desumanização” e totalmente indecifrável” alfabetos mecanicista. O designer holandês Piet Schreuders (ver reputações, Olho 32), por exemplo, queixou-se que a fonte Nova Crouwel era ilegível, pois seria necessário legendas para melhor entendimento, e que foi executado no “chamado estilo Marciano.

Nas décadas seguintes, melhorou-se a tecnologia de reconhecimento de caracteres permitindo assim o reconhecimento das fontes (tipografia) na impressão e até mesmo na escrita, as discussões éticas que envolvem fontes electrónicas cessou eventualmente. Actualmente, essas fontes projectadas por máquinas e experimentais deixaram de ser consideradas revolucionárias, visto que a sua função original, perdeu relevância, no qual ainda permanecem vestígios ímpares da era de inovação electrónica.

Posteriormente, o trabalho de designers como Peter Saville, que ressuscitou Nova Crouwel do alfabeto para a capa do álbum Substance Joy Division, claramente atribui importância formal e estilística significativa para fontes eletrônicas.

(RW by J)

(Source: blog.eyemagazine.com)

Tags: design